Como investir no Tesouro Direto

14/11/17 Autor: admin

O chamado Tesouro Direto é um Programa do Tesouro Nacional para a venda de títulos públicos federais para pessoas físicas, por meio da internet. O Tesouro Direto pode funcionar, em muitos casos, como uma solução própria de previdência ou aposentadoria.
Lastreados pelos recursos do próprio Governo Federal, que utiliza a captação da venda de títulos para honrar seus compromissos e até mesmo conceder empréstimos, os papéis negociados no Tesouro Direto possuem mais segurança e melhor rendimento do que a poupança.

O que é Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um programa modernizado do Tesouro Nacional Brasileiro, que oferece títulos públicos federais para aplicação de capital por pessoas físicas e pequenos investidores, mediante o uso de uma plataforma digital.
O Tesouro Direto oferece em geral opções de rentabilidade bastante superiores às de outros investimentos conservadores, como a caderneta de poupança. Além disso, por se tratar de um título público de emissão federal, tem imensa garantia e segurança.
Os títulos do Tesouro Nacional, com a democratização aberta pela plataforma do Tesouro Direto, são as melhores opções para aqueles que dispõem de capital pequeno para aplicação. Enquanto CDBs, RDBs e letras em bancos e instituições financeiras exigem investimento mínimo de alguns milhares de reais, é possível investir qualquer valor no Tesouro, a partir de R$ 30,00.
Se você quiser saber mais sobre o Tesouro Direto acesse aqui.

Por que investir no Tesouro Direto?

Assim como letras e certificados de depósito, o Tesouro Direto oferece títulos que possuem rendimento de renda fixa superior à inflação. A vantagem, em relação a títulos privados de renda fixa, é a segurança.
As garantias limitadas aplicáveis a contratos como o CDB, o RDB ou o LCI não se aplicam ao Tesouro. O garantidor dos títulos é o próprio Tesouro Nacional Brasileiro, em sua totalidade.
As opções oferecidas pelo Tesouro Direto são mais vantajosas atualmente para investidores que visem um prazo maior de aplicação. Para quem faz planos para a aposentadoria ou para a compra de bens de grande valor no futuro, a aplicação é uma das mais eficazes e garante rendimento superior à inflação e menor taxa de Imposto de Renda para resgates que superem dois anos.
As antigas “poupanças de família”, por exemplo, são muito mais eficazes quando redirecionadas para o Tesouro Direto. Como o objetivo é exatamente o de não resgatar o capital antes de determinada data, a vantagem em anos de aplicação sobre os rendimentos da poupança por ser de dezenas de pontos percentuais a mais.
Além disso, o Tesouro oferece 3 tipos de produtos: o título pré-fixado, o pós-fixado atrelado à Selic e o título indexado à inflação. Sendo assim, é uma ótima opção para o investidor que quer garantir ser remunerado sempre à taxa básica de juros ou acima do Índice de Preços ao Consumidor (IPCA). Conhecer melhor cada título em Tesouro Direto.

Passo a passo de como investir no tesouro

A forma mais simples e descomplicada de aplicar no Tesouro Direto é investindo em um fundo que aplique nesse ativo. Nesse caso, taxas de administração incidem sobre os rendimentos e podem diminuir os ganhos.
A segunda maneira é realizar a chamada compra direta. Essa compra é realizada no serviço chamado Tesouro Direto, uma plataforma online da Secretaria do Tesouro Nacional.
Apesar de “direta”, a aplicação exige, contudo, o cadastro em um banco ou corretora que seja habilitado junto ao Tesouro. Esses são os chamados agentes de custódia, e precisam ser relacionados pela pessoa física no momento de realização do cadastro na plataforma de aplicação e movimentação do Tesouro Direto.
De qualquer maneira, há necessidade, por meio de fundos ou diretamente, de cadastro junto a uma instituição financeira. Algumas taxas cobradas pelas instituições, principalmente bancos de varejo, reduzem a vantagem desse investimento – não necessariamente sobre os exíguos lucros da poupança, mas em relação a contratos privados de CDB, RDB, LCI, LCA e afins.
O passo a passo para investir em Tesouro Direto é relativamente simples e não exige conhecimento técnico:

  1. Primeiro, pesquise rendimentos e outras possibilidades de aplicação em renda fixa, comparando históricos e resultados
  2. Realize o cadastro junto a um banco, corretora, ou entidade financeira habilitada a operar o Tesouro Direto como agente custodiante
  3. Uma vez possuindo cadastro em uma instituição financeira, acessar o site do Tesouro Direto e realizar o cadastro
  4. Com o cadastro bancário e a inscrição no sistema, o investidor recebe senha e login para que possa realizar suas operações no Tesouro Direto por conta própria

 

Outros investimentos

O Tesouro Direto é um investimento simples e descomplicado, especialmente direcionado àqueles que não dispõem de maiores recursos para aplicação, mas desejam superar a inflação e os índices da poupança.
Contudo, os títulos do Tesouro Nacional geralmente rendem melhor em prazos mais alongados – 5 ou 10 anos em alguns casos. Para quem busca investimentos de renda fixa a um curto ou médio prazo, com maior rendimento e com mais disponibilidade de capital, aplicações em CDBs ou RDBs, especialmente em corretoras, são o mais indicado.
Além disso, em alguns casos, os títulos do Tesouro também perdem na venda, se comparados a contratos como o CDB. Se resgatar o investimento antes do prazo, o investidor fica sujeito à perda de rentabilidade e, muitas vezes, uma severa depreciação no ativo.